Liturgia do 11º Domingo Comum - Ano B
17/06/2018
Como um grão de mostarda

Ez 17, 22-24; 2 Cor 5, 6-10; Mc 4, 26-34

«O reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra. Dorme e levanta-se, noite e dia, enquanto a semente germina e cresce, sem ele saber como”, afirma Jesus no Evangelho deste 11º Domingo Comum. Não é a ação do homem que produz o Reino, mas a própria potência de Deus, escondida na semente. As nossas muitas inquietações por causa do bem são inúteis e às vezes até prejudiciais. O cristão confia na força do bem, naquilo que Deus é capaz de realizar através do seu Espírito. O reino de Deus é de Deus. Só Ele é capaz de o fazer crescer. É uma lição de confiança absoluta no nosso Deus que não nos engana. A Ele podemos e devemos entregar o nosso campo para que o bem que d’Ele nasce produza fruto abundante.

Jesus que semeou a Palavra, e é Ele mesmo a semente de Deus lançada no campo da nossa vida, o que é que nos pede? Unicamente que tenhamos o nosso campo limpo para acolher essa semente e que esperemos com paciência. O discípulo sabe que a sua vida é um campo semeado que não pode ser usado para brincar ou para calcar. A terra é sagrada e fecunda já pela semente que contém. O desenvolvimento do Reino pode parecer lento, mas é constante e vigoroso, porque é forte a vitalidade da semente, que é a Palavra de Deus. É essa a vitalidade que a faz germinar e crescer até chegar à hora da colheita. A humildade dos começos não é obstáculo à grandeza que o reino de Deus há de atingir na hora da ceifa.

O Reino de Deus, continua Jesus, “é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes que há sobre a terra; mas, depois de semeado, começa a crescer e torna-se a maior de todas as plantas da horta, estendendo de tal forma os seus ramos que as aves do céu podem abrigar-se à sua sombra”. Jesus fala à pequena comunidade que Ele mesmo fundou. Não lhe interessam sucessos nem grandezas, porque o seu estilo é feito de pequenez e humildade.
Repara bem: Se plantas na terra um enorme tronco, não nasce nada. Mas se colocas nesse terreno uma pequena semente, transforma-se em árvore. Jesus não mira ao sucesso ou aos aplausos das multidões. Quer que sejamos pessoas autênticas e humildes que tenham as mesmas características dessa semente que é Ele mesmo. Uma vela pequenina ilumina mais do que tantas noites. É uma minúscula chama onde todos podem acender a própria lâmpada.

A vida é crescimento e é maturação. De uma minúscula semente nasce uma árvore gigantesca. De biliões de gotas é feito o oceano. A vida é feita de pequenas ações. De um gesto aparentemente “insignificante” pode nascer a revolução de um povo. Do silêncio de um grão de trigo pode germinar uma seara abundante. Talvez possamos pedir a Deus a graça de darmos cada vez mais valor aos pequenos gestos que podem mudar o mundo.
 
Darci Vilarinho